Carreira em Risco

Carreira: Publicações indevidas em redes sociais põem empregos em risco

Especialistas alertam para atenção e cuidados com exposição na internet. O advento da Internet no início dos anos 1990 fez com que várias empresas proibissem seu acesso aos funcionários até entenderem como podiam a utilizar em seu benefício. Muitas até vetaram o uso de e-mails por medo de que desviassem a atenção dos profissionais durante o trabalho. Mas, aos poucos, as corporações entenderam como tirar proveito da revolução tecnológica, abrindo espaço para o uso da ferramenta.

Agora, são as redes sociais que geram controvérsias. Enquanto colaboradores querem saber em tempo real o que está acontecendo no mundo, ou com seus amigos, vários empregadores acreditam na perda de produtividade de quem acessa Facebook, Twitter, Orkut ou LinkedIn. Também temem que, por meio da ação de colaboradores nas redes, sua empresa sofra exposição indevida de produtos, marcas, serviços. Além de ter que punir infratores com advertências e/ou até demissão.

Por isso, é preciso dar atenção especial a tudo o que você está publicando nas redes sociais. Afinal, todas as palavras digitadas em seu perfil são associadas à sua imagem e – querendo ou não – à empresa na qual você trabalha. Segundo o especialista em Direito Digital Hélio Augusto Camargo Abreu, do escritório Patrícia Peck Pinheiro Advogados, cerca de 90% das pessoas excedem a exposição nas redes sociais. “As pessoas têm dificuldades em estabelecer seus limites. Lugar de trabalho é para trabalhar. O monitoramento por parte da empresa é a melhor saída. O funcionário não pode vazar informação confidencial ou estratégica. Isso é motivo de penalidade”, diz.

O comportamento ideal nas plataformas deve ser responsável, tanto com a empresa quanto consigo mesmo. “Aquela pessoa que posta fotos e comentários dizendo que está em bares o tempo inteiro terá sua imagem associada à bebida”, exemplifica Abreu. Críticas também não são bem-vindas, especialmente se elas disserem respeito à sua empresa e a outras que possam ser seus futuros empregadores. Lembre-se que já é de praxe varrer o perfil dos candidatos aos empregos em busca de informações sobre sua vida, sua carreira e sua personalidade.

Lígia Lampert, presidente da Associação Brasileira de Agências Digitais, seccional do RS (Abradi/RS), recomenda que o perfil exposto seja profissional, já que toda e qualquer informação fará parte do seu currículo – mesmo que você pense que não. “Publique suas atividades e ideias de maneira positiva. Evite posicionamentos políticos. Modere nas críticas e nos elogios em excesso. Não coloque fotos que prejudiquem sua imagem.”

Não esqueça que sua empregadora pode monitorar suas publicações. Assim como o RH de uma empresa pode estar procurando um funcionário do seu perfil, sua empresa pode ver se você não está falando mal dela. “Os profissionais precisam saber que estão sendo monitorados. Portanto, evite as palavras de baixo calão e críticas pessoais. Estamos todos vulneráveis, garante Jessé Rodrigues, professor de Mídia Digital da ESPM Sul.